homensdehonraAGO18

Homens de Honra

Há vários movimentos no mundo que têm produzido um grande despertamento nas mulheres para serem intercessoras em suas casas. Esses movimentos têm sido uma grande bênção e uma grande sustentação para as famílias e para as nações.

Eu mesmo sou fruto de uma mãe intercessora que foi incansável na busca a Deus por seus filhos e sua família. Ouso dizer como Abraham Lincoln: “Tudo o que sou e tudo o que devo ser, devo à minha mãe”, e isso como fiel intercessora pela minha vida e por nossa família.

Mas Deus também tem um chamado específico para os homens. Ele os criou para serem sacerdotes, profetas e reis de suas famílias, igrejas e nação.

O homem foi instituído por Deus para ser o sacerdote principal de sua casa. O líder de sua família. Porém, muitos têm sido omissos em relação ao seu papel e acarretado uma sobrecarga nos ombros das mulheres. Têm se escondido de suas responsabilidades atrás de muito trabalho. Isso é um grande perigo.

O próprio rei Davi vacilou em relação à sua posição e colheu os frutos amargos de sua omissão.

O texto de 1 Samuel 30.1-20 mostra que em uma etapa de sua vida, quando ele era fugitivo, pobre e mais sujeito às pressões da vida, teve a valentia e a coragem de chorar por seus filhos e de lutar por eles até os resgatar das mãos dos inimigos:

"Ao chegarem a Ziclague, Davi e seus soldados encontraram a cidade destruída pelo fogo e viram que suas mulheres, seus filhos e suas filhas tinham sido levados como prisioneiros. Então Davi e seus soldados choraram em alta voz até não terem mais forças. (...) Davi recuperou tudo o que os amalequitas tinham levado, incluindo suas duas mulheres. Nada faltou: nem jovens, nem velhos, nem filhos, nem filhas, nem bens, nem qualquer outra coisa que fora levada. Davi recuperou tudo” (v. 3-4, 18-19).

Box homensAGO18Mais tarde, quando se tornou rei, se viu mais ocupado e sem tanto tempo para seus filhos. Ofereceu a eles todo o conforto da riqueza, deu-lhes cargos no primeiro escalão do governo, mas não tinha mais tempo para se relacionar com eles. Davi tornou-se um pai negligente. Por causa da ausência, assim como acontece com muitos de nós, procurou um caminho menos desgastante no relacionamento com seus filhos, tentando sempre agradá-los:

"Quando o rei Davi envelheceu, estando já de idade bem avançada, cobriam-no de cobertores, mas ele não se aquecia. (...) Ora, Adonias, cuja mãe se chamava Hagite, tomou a dianteira e disse: “Eu serei o rei”. Providenciou uma carruagem e cavalos, além de cinquenta homens para correrem à sua frente. Seu pai nunca o havia contrariado; nunca lhe perguntava: “Por que você age assim?” Adonias também tinha boa aparência e havia nascido depois de Absalão” (1Rs. 1.1-6).

Davi, nesta fase de sua vida, deixou de confrontar Amonon, de consolar Tamar, de perdoar Absalão e de investir na restauração de sua família. Por conta disso, teve vitórias esplêndidas fora dos portões, mas colheu derrotas amargas dentro de casa.

Há nas Escrituras um outro exemplo em que podemos nos inspirar: Jó.

"Na terra de Uz vivia um homem chamado Jó. Era homem íntegro e justo; temia a Deus e evitava fazer o mal. Tinha ele sete filhos e três filhas, e possuía sete mil ovelhas, três mil camelos, quinhentas juntas de boi e quinhentos jumentos, e tinha muita gente a seu serviço. Era o homem mais rico do oriente” (Jó 1.1-3).

A Bíblia registra que ele era o homem mais rico de sua época. Certamente, também era muito ocupado. Porém, mesmo diante de seus grandes afazeres, Jó não deixava de exercer seu papel de sacerdote perante Deus em favor de seus filhos:

"Terminado um período de banquetes, Jó mandava chamá-los e fazia com que se purificassem. De madrugada ele oferecia um holocausto em favor de cada um deles, pois pensava: “Talvez os meus filhos tenham, lá no íntimo, pecado e amaldiçoado a Deus”. Essa era a prática constante de Jó” (Jó 1.5).

Devemos nos inspirar neste exemplo e assumir o nosso papel em nossas casas, nossas Comunidades e nossa nação.

Jó exercia o papel de profeta de sua casa, quando chamava seus filhos e os orientava segundo os princípios da Palavra de Deus. Como sacerdote, oferecia um holocausto em favor de cada um deles. E, no papel de rei sobre sua casa, fazia desses princípios uma prática constante.

Da mesma forma, Deus tem nos chamado, como homens, a sermos os reis, profetas e sacerdotes em nossos lares, causando um grande impacto na vida de nossas esposas, nossos filhos e, consequentemente, em nossas igrejas e nação. Em Efésios 5.23, o apóstolo Paulo registra a analogia do marido como o cabeça do lar, assim como Cristo é o cabeça da igreja.

É o Espírito Santo que nos capacita a agir assim. Então, o que significa ser os homens que Deus nos criou para ser?

Rei

Os reis tinham função de governar, preservar e fazer justiça. Eram aqueles que guiavam o povo de acordo com a vontade de Deus. Conduziam, lideravam e decidiam.

Na família, o homem tem esse mesmo papel, ele é o rei de sua casa. Porém, isso não tem nada a ver com uma liderança tirana ou com estabelecer as próprias vontades. É um governo, assim como o de Cristo, realizado em amor sacrificial (1Co. 13.4-7), que tem a ver com uma vida de serviço (Mt. 23.12; Mc. 10.45; Ef. 5.22-23). Jesus, nosso Rei Supremo, demonstrou o Seu amor dando a própria vida em favor dos Seus.

O homem tem o dever de levar seus familiares a glorificarem ao Senhor, servindo-os com uma liderança que é baseada em amor (1Tm. 5.8).

Profeta

No Antigo Testamento, o profeta era a boca de Deus ao povo. Moisés foi o primeiro grande profeta, Deus falava com ele face a face (Êx. 33.11) e através dele deu a Lei (doutrina, instrução que leva à vida) ao Seu povo. Portanto, o profeta é aquele que atua como mediador, proclamando a vontade e o caráter de Deus ao Seu povo. É aquele que pratica e traz a Palavra de Deus e a inspiração do ensino bíblico para o lar.

O homem é o profeta do seu lar, pois Deus confiou a ele essa responsabilidade de edificar com suas palavras, consolar aos que estão ao seu redor e exortar em amor nos momentos em que há necessidade. Ele é o guia espiritual de sua família, o pastor de sua casa.

Sacerdote

O sacerdote era aquele que representava o povo diante de Deus (Êx. 28.9, 17-21, 29), aquele que consultava o Senhor quando o povo tinha dúvidas (Êx. 28.30; Lv. 8.8), bem como aquele que agia como juiz representante da Sua vontade (Nm. 5.21-22).

O homem é o intercessor da família, aquele que responde por ela diante de Deus. É aquele que deve se doar em sacrifício por sua esposa e por seus filhos. É dele o dever de subir as escadas com as compras, por exemplo, de abrir o portão debaixo de chuva.

É assim que Deus espera que o homem se porte em sua casa, na igreja e na sociedade. Somos convocados por Deus para seguir os passos de Jesus Cristo. Ele é o nosso maior modelo de sacerdote, profeta e rei:

“Eu lhes dei o exemplo, para que vocês façam como lhes fiz” (Jo. 13.15).

Quando não assumimos nossa função – como rei (aquele que governa o lar com exemplo, amor e justiça), sacerdote (aquele que ora e intercede diariamente por sua família) e profeta (aquele que pratica e traz a Palavra de Deus e a inspiração do ensino bíblico para o lar) – , tudo fica fora de lugar e as consequências podem ser desastrosas para a mulher e os filhos. O desespero e a insegurança tomam conta de uma casa quando não existe um homem que sabe o seu lugar.

Por outro lado, quando o homem se posiciona de uma maneira clara diante de Deus e da sociedade, dá frutos que permanecem. Como foi com o pastor e teólogo Jonathan Edwards, que apesar de ter morrido jovem, aos 54 anos, deixou um legado através dos seus descendentes. Entre os 1.394 descendentes de Edwards estavam: três presidentes de universidades, três senadores dos Estados Unidos, 30 juízes, 100 advogados, 60 médicos, 65 professores de universidades, 75 oficiais do exército e da marinha, 100 pregadores e missionários, 60 escritores de destaque, um vice-presidente dos Estados Unidos, 80 altos funcionários públicos e 250 formados em universidades, entre eles governadores de estados norte-americanos e diplomatas enviados a outros países.

Que esse exemplo nos inspire a sermos os reis, profetas e sacerdotes que Deus nos chamou para ser.

 

OsmarMisael