comovoceFEV18

Como você enxerga o mundo?

Só 17% dos cristãos têm uma perspectiva bíblica da vida

Cosmovisão. Você já ouviu essa palavra? Ela quer dizer, literalmente, a visão que uma pessoa tem do mundo. Essa visão influencia aquilo que cada um é, o que defende e a maneira como vive. É como se fossem óculos, através dos quais cada pessoa tem a sua maneira de ver as coisas. Se essas lentes forem corretas, a realidade, então, faz sentido.

Segundo Norman L. Geisler, em seu livro “Enciclopédia da Apologética”, a cosmovisão é o “modo pelo qual uma pessoa vê ou interpreta a realidade. É a estrutura por meio da qual uma pessoa entende os dados da vida. Uma cosmovisão influencia muito a maneira com que uma pessoa vê Deus, as origens, o mal, a natureza humana, os valores e o destino”.

Como cristãos, seguimos a Palavra de Deus, por isso temos uma cosmovisão bíblica. Ou seja, enxergamos o mundo através das lentes da Bíblia. Ou, pelo menos, deveria ser assim.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Barna e o Summit Ministries revelou que, nos Estados Unidos, apenas 17% dos cristãos que acreditam que a sua fé é importante e que vão à igreja frequentemente têm uma visão do mundo baseada na Palavra. De acordo com os pesquisadores, algumas afirmações que registram essa visão bíblica seriam: “crer que existe uma verdade moral absoluta”; “considerar que Satanás é um ser ou uma força real, e não apenas algo simbólico”; “crer que uma pessoa não pode ‘ganhar um lugar no céu’ tentando ser boa ou tendo boas ações”; “crer que Jesus Cristo viveu uma vida completamente sem pecado na terra”; “crer que Deus sabe de todas as coisas, é o todo-poderoso criador do mundo e ainda dirige todo o universo”.

Esse número tão baixo indica que muitos cristãos têm aceitado outras cosmovisões, como de outras religiões, por exemplo. E isso acontece especialmente com os Millennials (15 a 32 anos) e a Geração X (33 a 51 anos), que têm oito vezes mais tendência a aceitar ideias diversas do que aqueles que têm mais Box comovoceFEV18de 52 anos.

Dos entrevistados, 61% creem em algo que chamam de “nova espiritualidade”, uma visão positiva da religião, com foco no sobrenatural e uma crescente insatisfação com as instituições religiosas. Quase três em 10 (28%) cristãos praticantes concordam que “todas as pessoas oram ao mesmo Deus ou ser superior, independentemente do nome com que o chamem”. Um terço deles (32%) também acreditam que “boas obras são recompensadas com o bem, já as más obras recebem o mal como consequência”. Outra pesquisa do Instituto Barna revelou outra característica semelhante dos cristãos da atualidade: 52% creem que a Bíblia ensina que “Deus ajuda aqueles que se ajudam”.

A pesquisa ainda revelou que 59% dos cristãos têm visões pós-modernistas, que creem na subjetividade acima de tudo e que se uma crença ofende alguém, está errada. 36% aceitam ideias associadas ao marxismo, sendo completamente contrários ao capitalismo e adotando ideias socialistas ou comunistas. E 29% creem em afirmações baseadas no secularismo, colocando a razão e a ciência acima de tudo.

Além disso, homens e moradores da cidade são mais suscetíveis a essas outras visões de mundo do que mulheres e aqueles que vivem no interior ou em áreas rurais.

A grande questão é que o Senhor não nos chamou apenas para vivermos como quisermos e sermos felizes. Ele veio ao mundo e nos ensinou uma maneira de viver, nos ensinou o padrão do Reino de Deus. Essas são as lentes que devemos usar, enxergar através dos olhos do nosso Salvador.

A Bíblia nos dá toda a instrução de que precisamos. E é a ela que devemos seguir. Muitos têm se deixado levar por novos pensamentos ou teorias, e têm deixado de lado o mais importante, a Palavra de Deus.

Para ter uma cosmovisão bíblica, como a do Senhor Jesus, precisamos conhecer o que Deus fala em Sua Palavra e deixar que o Espírito Santo traga revelação ao nosso coração. Ainda dá tempo de fazer um compromisso para conhecer a Bíblia em 2018, e isso só nos ajuda a enxergar, cada dia mais, com os olhos de Cristo.