sintoniaFEV18

Sintonia

A ferramenta ideal para se comunicar bem

Não conseguimos empurrar o conhecimento para dentro do cérebro. Ele precisa ser semeado. Para plantar uma ideia na mente de alguém, você precisa da permissão daquela pessoa. Normalmente, as pessoas têm cuidado ao “abrir a mente” a um total desconhecido. Sempre há certa desconfiança sobre a nova informação que está sendo proposta.

Passamos por isso quando estamos ensinando na célula, evangelizando ou mesmo pregando. É preciso encontrar um meio de superar essa resistência, e a maneira certa de fazer isso é demonstrar às pessoas o nosso lado humano, pessoal.

Jesus fez isso quando foi contestado pelos fariseus conhecedores da Lei, que queriam provar o Seu “conhecimento”. No momento certo e da maneira correta, Ele mostrou o padrão do Reino de Deus, ensinou como deve ser o comportamento humano real, sem a influência e malignidade do pecado: cheio de compaixão, misericórdia e colocando o próximo em primeiro lugar.

Ainda hoje, a visão de mundo cristã sobre assuntos como a crise dos refugiados, a justiça e a graça, por exemplo, são um tabu. Como cristãos, deveríamos saber o que a Bíblia diz e nos posicionarmos a favor dos princípios do Reino de Deus. E não cairmos em confusão ou questionamentos de uma cosmovisão mundana.Box sintoniaFEV18

Agora, como podemos entrar em sintonia com o que Deus tem reservado para a sociedade em que estamos inseridos e comunicar de maneira eficaz? Ouvir uma palestra é algo completamente diferente de ler um roteiro. Para causar impacto, é necessário haver sintonia humana. Você pode dar uma palestra brilhante, com explicações cristalinas e uma lógica perfeita, porém, se antes de tudo, você não entrar em sintonia com as pessoas (sabendo suas necessidades e anseios), ela não cumprirá sua finalidade. Por isso, muitas vezes, encontramos filmes que têm ótimos roteiros, mas uma atuação ruim acaba comprometendo tudo o que foi escrito originalmente.

A aproximação é importante. Jesus nos mostra isso em todos os encontros registrados na Palavra. Ele se aproximava e conhecia as pessoas de verdade, sua história e suas necessidades. O relacionamento abre espaço para que alguém receba novas ideias e possa acreditar no que dizemos.

As pessoas não são computadores. São seres sociais com individualidades únicas. E elas desenvolveram armas para se proteger de conhecimentos perigosos capazes de poluir suas visões de mundo. Essas armas têm nome: ceticismo, desconfiança, antipatia, tédio, incompreensão. Muitas delas são boas, pois filtram o que é bom, mas também fecham as portas para a mudança.

Nós, que somos representantes da maior história de todos os tempos, da verdade mais transformadora, precisamos aprender a proteger nossa mente das ideias deste mundo e influenciar mentes que estão fixas e fechadas. Por isso, nossa primeira tarefa como discípulos de Jesus é encontrar uma maneira de desativar essas armas e construir um laço humano de confiança com quem nos relacionamos. Isso pode acontecer através de cinco práticas essenciais para uma comunicação em sintonia com a Palavra de Deus e com as pessoas ao nosso redor.

1) Faça sempre contato visual: ele ajuda a pessoa a entender que você se importa com ela e está presente. Não há nada pior do que contar uma história para alguém, e a pessoa estar olhando para o celular ou qualquer outro lugar. O contato visual traz proximidade e emoção.

2) Mostre vulnerabilidade: pessoas confiam em pessoas que são como elas. Quando você demonstra que está aprendendo e que tem fé em um Deus todo-poderoso, abre caminho para a aproximação. Não seja o super-herói que tem todas as respostas – porque nós não temos. Conte dos seus erros e acertos com sabedoria. Isso te aproximará das pessoas e te dará credibilidade.

3) Não deixe o clima tenso: é um fato, as pessoas gravam mais coisas em sua mente quando o ambiente é confiável e amigável. Assuntos sérios devem ser tratados de forma séria, mas não de uma maneira que crie um ambiente de desconfiança e inimizade.

4) Enterre o seu orgulho: Jesus, sendo o próprio Deus, não se orgulhava, era manso e humilde de coração. Isso abriu portas para que Ele pudesse pregar o evangelho, conduzir as pessoas ao arrependimento e apresentar uma nova vida. Frases como “antes de eu ser esse cristão bem-sucedido” criam uma barreira. Faça perguntas e conte sua história num prisma que ajudará a outra pessoa a se posicionar e mudar.

5) Conte histórias: histórias mergulhadas nos princípios da Palavra de Deus são as que mais geram transformação e ficam gravadas na mente das pessoas. Jesus fez isso através das parábolas. Elas não eram histórias quaisquer, mas foram eficazes, principalmente pelos princípios que eram aplicados e geravam nos ouvintes um incômodo para mudança.

A sintonia com Deus através do Espírito Santo é a única maneira eficaz de comunicarmos o evangelho sem preconceitos, entendendo a realidade dos nossos dias e nunca abrindo mão dos princípios que aprendemos com Jesus. Essa é a nossa maneira de trazer o Reino dos céus para nossos dias.

 

GustavoRosaneli