ferreirosJUL18

Ferreiro, arqueiros e flecha: trabalho em parceria

"Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela. Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão de dores, pois assim dá ele aos seus amados o sono. Eis que os filhos são herança do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão. Como flechas na mão de um homem poderoso, assim são os filhos da mocidade. Bem-aventurado o homem que enche deles a sua aljava; não serão confundidos, mas falarão com os seus inimigos à porta” (Sl. 127.1-5).

Vivemos numa sociedade tomada por uma pressa sem precedentes. Esperar dois minutos e meio para a pipoca estourar durante o jogo do Brasil na Copa (tenhamos fé) parece uma eternidade. O que a gente diria então a respeito de esperar a construção de uma casa, ou o crescimento da muda de carvalho até se transformar numa árvore adulta? A nossa ansiedade por ver a coisa pronta, finalizada e ter aquela sensação de ‘dever cumprido’ ou ‘me livrei!’ pode nos fazer cometer falhas desnecessárias.

Um filho é uma obra de Deus na nossa vida. Uma dádiva! Mas ele não eclode no micro-ondas em dois minutos e meio, ele não será construído em um ano como uma casa. Ele será formado, moldado, trabalhado por longos anos, como o carvalho. ‘Semear’ filhos não se faz sozinho, mas em parceria com Deus. Porque se Ele nãoBox ferreiroJUL18 edificar o caráter de cada um deles, poderemos perder muitas noites em claro e não terá nenhum efeito a não ser o cansaço.

O fato de ser trabalhoso, despender energia e exigir de nós abnegação, resiliência e dedicação nunca foi aleatório, pois quando se trata de nossos filhos, tudo o que os envolve nos afeta diretamente e era essa a intenção de Deus: usar-nos para construir os nossos filhos e os filhos para (des)construir os pais. À medida em que “afiamos” as nossas flechas, nós também somos afiados e afinados, pois esse contato, muitas vezes cheio de atritos e faíscas, nos molda tanto quanto moldamos os nossos filhos.

Polir uma flecha é um trabalho artesanal e unitário. Não se faz no varejo.

Existiram diversos tipos de pontas de flechas ao longo da história. As primeiras pontas eram feitas de madeira, muitas vezes uma mera extensão da haste da flecha, cortada para se tornar afiada. Depois, surgiram pontas de osso, pedra e, finalmente, ferro e aço. Cada material tem uma característica diferente e é de tempos distintos. Quem forjou uma flecha de madeira usou técnicas e instrumentos totalmente distintos de quem forja uma flecha de aço.

Cada tempo exige uma habilidade na forja. Não posso tratar o aço como a madeira e, no tempo da madeira, as características do artesão também eram outras.

Formar filhos hoje não é a mesma “atividade” diante da realidade histórica, social e humana da década de 1950 ou 1970, ou mesmo de 1990. Nossos filhos têm demandas absolutamente diferentes. São uma geração digital, conectada com o mundo e seus dialetos. Desse modo, os instrumentos de preparação também devem ser distintos. Há outros tipos de necessidades emocionais, físicas e espirituais. Quando me refiro a usar outras estratégias ou ferramentas não estou, de modo algum, sugerindo a mudança de princípios ou valores, mas sim a aplicação dos mesmos numa outra abordagem.

Esse desafio que nos é colocado seria desesperador não fosse a parceria com o nosso Pai na edificação dos nossos filhos. Por alguns momentos podemos nos angustiar por acharmos que seria melhor forjar madeira do que aço, que o tempo de trabalho seria menor, ficaria pronto mais rápido, acertar o alvo seria mais fácil. Mas lembre-se: Deus está forjando aço! Terá altíssima precisão, irá acertar o alvo (que nunca será um semelhante, e sim objetivos) em alta velocidade e irá muito além de você!

Mas flechas não voam sozinhas, não são deixadas no meio do caminho. Quando falham, elas voltam para o ferreiro e o trabalho recomeça. Elas estão sempre perto do arqueiro e do ferreiro, no seu lugar de segurança, pois são caras, têm valor inestimável! Só saem do alforge para atingir o alvo. Não existem flechas ruins, existem arqueiros que desistiram, não foram hábeis ou não tiveram total interesse.

Não tenha pressa, filhos são uma obra-prima! Exigem de nós dedicação, entrega e paciência, a mesma que Deus tem sempre conosco. Deixe Deus forjar os seus filhos para que você não seja confundido em nenhum momento complexo e para que os tenha como aliados no futuro.

Para glória dele, amém!

 

PatriciaBezerra