principiosMAR18

Princípios do discipulado apostólico

Não é ensino, é a própria vida de Cristo em nós

Existe um paradigma que precisa ser quebrado. Quando a grande maioria das pessoas se depara com a palavra “discipulado”, quase que imediatamente pensa no ensino. Mas a verdade é que ele é só uma parte do discipulado, não todo.

Pense comigo, quantas pessoas há que leem a Bíblia mas não têm se tornado pais melhores, maridos melhores, cidadãos melhores... Acontece que elas estão só lendo, não há, no processo, meditação, reflexão e aplicação da Palavra.

O mesmo acontecia com Saulo de Tarso. Antes de se tornar o apóstolo Paulo, ele era um importante e influente judeu, membro do sinédrio – ou seja, era um dos 70 homens mais importantes do Reino de Israel –, que tinha estudado aos pés de Gamaliel – um dos grandes mestres da lei –, e sabia o Pentateuco – os cinco primeiros livros do Antigo Testamento – de cor. Ou seja, conhecia a letra perfeitamente, sabia que está escrito “não matarás” (Êx. 20.13), mas perseguia, castigava e assassinava cristãos. Por quê? Porque só o conhecimento não produz transformação. Ele apenas tinha uma religião.

Box principiosMAR18A carta de Tessalonicenses foi escrita por três homens: Paulo, Silvano e Timóteo (1Ts. 1.1). O primeiro era o pai na fé dos outros dois. Tinha levado eles a Cristo e era seu discipulador. E naquela carta, Paulo entrega dez princípios do discipulado apostólico para uma igreja que não vive fechada em si mesma, mas que vai fazer a diferença transformando a vida das pessoas, ensinando-as a refletir e aplicar o ensino contido nas Sagradas Escrituras.

O texto de 1 Tessalonicenses 5.12 diz:

“tenham consideração para com os que se esforçam no trabalho entre vocês, que os lideram no Senhor e os aconselham”.

Então, o primeiro princípio é considerar. O quê? Considerar o pensamento da sua liderança espiritual a respeito de uma situação determinada. Honrar pai e mãe é o primeiro mandamento com promessa da Bíblia, o mesmo princípio deve ser aplicado a respeito dos pais espirituais, daqueles que zelam pela sua vida com Deus: pastores, líderes de célula, líderes de ministério, etc.

Considerar é dar ouvidos, levar em conta, orar antes de tomar uma determinação. Não quer dizer que você vai endeusar seu pastor ou líder, mas vai considerar, fazer valer realmente a pena ouvir, e a Palavra de Deus vai pesar na sua decisão, escolha ou avaliação.

Muitas vezes, apresentam-se no meio de nós pessoas que têm problemas com a submissão à liderança espiritual. Isso é um espírito de orfandade, um problema de paternidade mal resolvida. E se isso não for resolvido, se não conseguirmos entender que Deus nos ama e tem o melhor para nós, viveremos tentando chamar a atenção e provar para os outros aquilo que não foi bem resolvido no nosso coração.

Outro dos princípios ensinados na carta dos Tessalonicenses é promover a paz no corpo de Cristo, na igreja. O verso 13 do capítulo 5 diz:

“vivam em paz uns com os outros”.

Todo o cristão vive assim? Não! 3 João 1.9 e 10 registra o caso de Diótrefes, que trabalhou para destruir a igreja. É assim que você gostaria de ser lembrado? A história esquece os azedos, os amargos e os críticos. A história promove os príncipes e princesas, os servos, os pastores, os discipuladores, os apóstolos e profetas, homens e mulheres que fazem a diferença. Reavalie o que você fala, onde vai, o que vai fazer, com quem vai fazer, e tenha relacionamentos sadios, que te levem para mais perto do Pai.

O terceiro princípio do discipulado apostólico é: servir à família da fé (1Ts. 5.14-15). Como? Advertindo os ociosos, confortando os desanimados, auxiliando os fracos e sendo pacientes para com todos. Diga para aqueles que estão próximos de você, para os que fazem parte da sua célula: “meu irmão levanta, vamos lá, me dá uma mão aqui que eu vou junto com você”. Tenha uma vida de encorajamento!

Outro princípio é: viva satisfeito espiritualmente. É o que Paulo afirma no verso 16 do capítulo 5 da carta aos Tessalonicenses:

“Alegrem-se sempre!”

Quando vivemos assim, estamos com o tanque cheio, então conseguiremos discernir o que é bom e não é, o que é útil e não é, o que vem do Pai e o que não vem dele.

O quinto e o sexto princípio estão de mãos dadas: uma vida de oração e gratidão (1Ts. 5.17-18). Ore continuamente! Viu uma notícia? Transforme ela em oração. Leu uma Palavra? Aplique a fé. Ouviu uma ministração? Creia e receba. Essa vida se expressa dando graças em todas as circunstâncias. Nossa fé não pode ser como a economia: hora estável, hora cai, hora melhora. Ela não oscila, ela é firme porque está sobre a rocha, Jesus. O mundo está em crise, mas você está em Cristo.

E, finalmente, quatro princípios que sustentam seu caráter: mantenha a plenitude do Espírito – procure ser cheio constantemente; retenha as palavras proféticas, aquelas que estão firmadas na Palavra de Deus; viva em santidade – decida fazer a vontade do Pai, Ele te deu o Espírito Santo para habitar em você; e espere com integridade a volta de Cristo. “Que todo o espírito, alma e corpo de vocês seja conservado irrepreensível na vinda de nosso Senhor” (1Ts. 5.23). Seja consagrado hoje porque amanhã Ele está chegando! Nunca perca essa esperança. Aplique estes princípios e você viverá um verdadeiro discipulado apostólico, que irá transformar a história de tantas e tantas pessoas.

CarlitoPaes