orandocombaseABR17

Orando com base em valores eternos

O modelo de oração de Paulo pela igreja de Colossos

Ao longo dos meus anos de vida cristã, lendo a Bíblia e olhando para os pais da fé, vejo que seus momentos de oração não estavam regados de chavões ou frases feitas. De fato, parece que dedicavam seus pensamentos para escolher quais eram as palavras que seriam proferidas. Como se procurassem argumentos profundos para apresentá-los nas conversas com Deus.

O próprio Jó, passando por adversidades, abre sua boca desesperadamente – como, talvez, muitos de nós já fizemos – e declara:

“Se tão-somente eu soubesse onde encontrá-lo e ir à sua habitação! Eu lhe apresentaria a minha causa e encheria a minha boca de argumentos. Estudaria o que ele me respondesse e analisaria o que me dissesse” (23.3-5).

Box orandocombaseemUm livro escrito por Spurgeon, chamado “A oração eficaz”, diz sobre esta oração de Jó: “Há uma ideia popular de que a oração é uma coisa muito fácil, uma espécie de atividade comum que pode ser feita de qualquer forma, sem nenhum cuidado ou esforço. (...) Ora, nenhum desses modos de orar foi adotado pelos santos do passado. (…) Assim como um peticionário não vai a uma corte impulsivamente, sem antes pensar no que vai dizer, mas entra na sala de audiências com seu processo bem preparado, tendo também aprendido como deve se comportar diante da grande autoridade a quem vai apelar, da mesma forma é bom que nos aproximemos do trono do Rei dos reis, tanto quanto possível, com premeditação e preparação, sabendo o que fazemos, qual a nossa posição e o que desejamos obter.”

Às vezes nos preparamos tanto para o nosso dia a dia, e acabamos dando a Deus o pior tempo. Não pensamos no que vamos dizer, oramos sem saber ou lembrar do que pedimos, e muito menos pensamos diante de quem estamos ou quem Ele diz que nós somos. Vivemos uma vida regrada pelo acaso, achando que, como diz a música, “o acaso vai me proteger enquanto eu andar distraído”.

Como argumentar com Deus com base em valores eternos? Um ótimo exemplo está na oração que Paulo faz pela igreja de Colossos – e por todos nós – em Colossenses 1.1-14. Ele orava para que:

“Sejam cheios do pleno conhecimento da vontade de Deus” (v. 9): Em Romanos 12 está escrito que a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável. E Paulo ora para que tenhamos essa revelação. Porque se isso acontecer, nossa vida será acima da normalidade. Sem ansiedade, sem pânico. Tranquila, equilibrada. Porque você estará consciente de que sua vida está nas mãos do Deus todo-poderoso, de quem nada foge do controle. E mesmo que as coisas não caminhem de acordo com o que planejou, você poderá declarar sua paz e confiança no fato de que o Senhor cuida de todas as coisas.

“Sejam cheios de sabedoria e entendimento espiritual” (v. 9): É conseguir discernir o trabalhar de Deus em determinada circunstância. Assim, conseguiremos descansar nele. Paulo teve esse tipo de discernimento no naufrágio que experimentou. Enquanto todos estavam desesperados, ele estava tranquilo. Em Atos 27 ele diz:

“Eu falei com Deus e Ele me disse que vamos perder tudo, mas ninguém vai morrer”.

E isso foi exatamente o que aconteceu. Ele viu Deus trabalhar, teve discernimento.

“Vivam de maneira digna do Senhor” (v. 10): É viver de maneira apropriada ao Evangelho para que Seu nome seja glorificado.

“Assim deixai a vossa luz resplandecer diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai que está nos céus” (Mt. 5.16).

Essa é a maneira do cristão viver, frutificando em toda boa obra. Alcançando o próximo. Sendo produtores, não consumidores.

“Crescendo no conhecimento de Deus” (v. 10): A Palavra do Senhor diz no livro de Salmos 1.1-3 que

“bem-aventurado é o homem que tem prazer na lei do Senhor, e nela medita de dia e de noite.”

Para ter bons argumentos você precisa conhecer o que Deus prometeu, que está expresso nas Escrituras. Porque quando você tem conhecimento de que Deus prometeu aquilo, você se enche de fé.

“Sendo fortalecidos com todo o poder, de acordo com a força da Sua glória” (v. 11): Deus quer nos dar do Seu poder e autoridade. Diante das circunstâncias adversas, do inferno, de demônios, das pressões, se porte como alguém que tem autoridade. É o poder da vida de Cristo que está em você (Gl. 2.20). Quando o poder de Deus está dentro de você, você é capaz de suportar o insuportável.

“Para que tenham toda a perseverança e paciência com alegria” (v. 12): É sermos firmes e constantes. É fazer as coisas com serenidade no interior. Para isso, precisamos saber exatamente o que queremos e termos certeza de que nossas orações estão alinhadas com o propósito de Deus. A oração que Deus honra é a que está cheia do conhecimento da vontade dele.

Nós precisamos aprender a orar. Precisamos orar como Paulo. Ter mais concentração nesses momentos, mais foco. Saber quem Ele é, diante de quem nós estamos, e quem nós somos para Ele. Precisamos escolher as palavras com sabedoria, apresentar nossos argumentos de forma contundente e sempre nos lembrar de ressaltar:

“Pai, sobre todas as coisas, seja feita a tua vontade.”

 

OsmarMisael