quetipodefeABR17

Que tipo de fé você tem?

Quando as atitudes falam mais alto do que as palavras

O livro de Tiago tem muitas lições práticas para a vida. Em particular, no capítulo 2, há princípios que falam sobre a fé. Entre os versos 14 e 26, o apóstolo Paulo, autor do texto, discorre sobre três padrões diferentes que ela pode apresentar e que nos servem como alerta para avaliarmos qual é o nosso tipo de fé.

Veja que a explicação do começo já é chocante. O texto diz que a fé sem obras é morta, que só alguém afirmar que tem fé, não significa nada. Quantas e quantas Box quetipodefepessoas ao redor do mundo fazem essa afirmação. E na vida de quantas delas as palavras são acompanhadas de atitudes coerentes? E quando olhamos para nós, o que vemos? Vamos fazer então uma análise:

Fé morta (Tg. 2.14-17)

O texto nos fala a respeito de alguém que diz ter fé, mas uma fé que não tem poder algum para fazer algo em sua vida. Na verdade, essa é apenas uma fé intelectual. E ela é morta porque não produz resultado nenhum, não tem ações. É apenas uma ideia na mente.

Essa é a fé das pessoas que dizem crer em Deus, mas suas palavras e atitudes não condizem com esse discurso, continuam vivendo a mesma vida, sem arrependimentos e sem mudanças. Esse é um problema enfrentado por muitos cristãos que vão à igreja, dizem ter fé, mas, quando surge uma dificuldade, todas as suas ações são de medo, fuga, desespero. O que fazem não está de acordo com o que creem.

A fé atua pelo amor (Gl. 5.6). Se dizemos que temos fé em Deus, mas não temos comprovação pelo nosso estilo de vida, nossa fé é morta. Imagina você estar na frente de uma pessoa com frio e faminta e falar: “Meu irmão, Deus é bom! Vai em paz! Coma bastante e se aqueça!” Como ela irá conseguir fazer isso se você não deu comida nem roupas? Isso é uma fé morta.

Fé dos demônios (Tg. 2.19)

Sim, eles também têm fé. Eles acreditam em Deus, na divindade de Jesus Cristo, na existência do inferno e no julgamento pelo qual todos nós passaremos. Mas eles não são salvos e não fazem nada que justifique a sua fé.

Se apenas falamos que cremos em Deus, não estamos muito longe dos demônios. Esse tipo de fé não traz transformação, não traz mudança de vida, porque é baseada em emoções. Essa fé não salva.

Não é possível reconhecer uma pessoa salva pelo conhecimento que ela possui ou pelas emoções que demonstra, mas pela vida que ela vive. A fé e as obras sempre andam juntas.

Fé verdadeira (Tg. 2.20-25)

Essa é a fé que agrada a Deus: quando temos fé nele e confiamos até o fim – como fez Abraão. A fé muda a nossa vida e a de quem está próximo de nós. É aperfeiçoada pelas obras. É verdade que a salvação vem pela fé em Deus, mas a consequência de sermos salvos é que começamos a praticar as obras que Ele preparou para nós.

Lucas 6.46-49 fala que aquele homem que ouve, mas não coloca o que aprendeu em prática, é semelhante a alguém que constrói uma casa sem alicerces. O destino é a ruína.

A fé salvadora se baseia na Palavra de Deus. Essa fé obedece a Deus e envolve:

o nosso intelecto – nós entendemos;

as nossas emoções – nós sentimos;

e a nossa vontade – nós fazemos porque cremos em Deus.

Que tipo de fé você tem? Se você tem fé, você terá obras que condizem com ela. A fé viva não está apoiada em circunstâncias. Ela serve sem esperar ser servido. Perdoa sem que precisem pedir perdão. Dá outra chance. Dá dízimo crendo que Deus irá prover e abrir as janelas do céu. Crê que Deus irá curar e permanece firme. Crê que Deus ama.

Um corpo sem espírito está morto. O espirito da fé se manifesta nas obras que a pessoa pratica. Quando ela vive uma vida diferente, faz escolhas diferentes, toma um caminho diferente do que tomava antes. E assim, ela impacta outros.

O Senhor não quer que tenhamos uma fé morta. Abraão e Raabe eram como nós, mas por terem colocado a sua fé em prática foram colocados na lista dos heróis da fé. Que nós também possamos fazer parte dessa lista.

 

CesarRosaneli